Cego debruçado em via-estreita

If you do not understand Portuguese, this is well worth clicking the translation button for. 

Namastibet

Há palavras de vulgar despojo,
Pois porque o normal é dar, logo
Eu me dou, de mim próprio, tal
Como choro ou respiro e me redimo, 

Mortal despojo, nome de guerra, nojo,
Guerreiro de latão, charlatão, só de incerteza
Tenho pose chaves e certidão; desejo é
Bom-porto, Porto-bom tem Zenão,

O silêncio é absurdo e o meu espírito
Paira longe ao longo, pois já não é só o pensar
Que me foge, eu que fujo de me pensar
Morto e mudo, cego debruçado em via-estreita,

Consciente da derrota, fama é lama e o facto
De ser dissemelhante a algum outro
Espécime de peixe-monge, faringe desfeita
E traqueia, difíceis de engolir, de pesar,

Há palavras de vulgar despojo, nojo
Porém me dá a fala sem emoção, “fio-prumo”, 
Por isso choro, quando respiro
De fora para dentro…e me dou,

Cego debruçado em via-estreita e oblonga,
Vivo metaforicamente falando pra fora 
E me…

View original post 25 more words

The BUTHIDARS

Make Hugs Not War.

UNITBALL

a medical education website

Stine Writing

Poetry, Positivity, and Connecting!

mpardidotcom

Current events, politics, ecology, environmentalism

Lazy French Hiker

France is beautiful. My hiking skills are not.

GaslitByAMadman

TheCertifiablyTRUERavingsOfASectionedPhilosopher: Don't be afraid to think you might be a little 'crazy'. Who isn't? Check out some of my visualized poems here: https://www.instagram.com/maxismaddened/

Poet's Corner

Poems, poets, poetry, writing, poetry challenges

Lluís Bussé

Barcelona's Multiverse | Art | Culture | Science

Tender Rebellion

poetry - essays - erasure - collage

%d bloggers like this: